sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

ALERTA: Nova ofensiva

Caros colegas,
Chegou-nos a informação de que os recursos humanos, se preparam para impor aos trabalhadores precários da CML uma nova modalidade de contrato de prestação de serviços, ou de avença, ou como queiram chamar à ilegalidade longamente praticada.
Vamos todos ser colocados perante a inevitabilidade de assinar sob a pena de rescisão do actual contrato uma espécie de adenda armadilhada, se bem que ainda não conseguimos definir muito bem o que realmente se trata aqui enquanto figura jurídica.
Sobre a capa da virtude e de uma necessária "uniformização", parece-nos uma (mais uma!) brutal ilegalidade o que se prepara nesta vergonha em que se tornou a CML, mas aquilo que não temos dúvidas é que ao assinarmos e "concordarmos" com esta palhaçada estamos a sentenciar o nosso posto de trabalho.
Segue-se, na integra, aquilo que nos será dado assinar, conforme o modelo recentemente chegado às Direcções Municipais:

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/AVENÇA
Entre o Município de Lisboa... adiante designado primeiro outorgante
e
... adiante designando segundo outorgante
Considerando o processo em curso de uniformização dos contratos de prestação de serviço/avença celebrados com a CML, no sentido de todos apresentarem a mesma redacção;
É celebrado e reciprocamente aceite o presente contrato de prestação de serviço/avença, em substituição da redacção do anterior contrato celebrado pelas mesmas partes, nos termos das clausulas seguintes, que os contraentes se obrigam a cumprir:
CLAUSULA 1ª (Objecto do Contrato)
O presente contrato tem por objecto a prestação de serviços de _________ nas instalações do Departamento/Divisão, ou noutros a definir, conforme acordo com o primeiro outorgante.
O serviço a prestar pelo segundo outorgante consiste em ________, sendo que reúne aptidões especialmente comprovadas nesta área, a que acresce a experiência.
CLAUSULA 2ª (Prazo e renovação)
O presente contrato teve início a __________ (colocar data inicial do 1ª contrato), sendo que com a presente redacção se renova e produz efeitos de 1 de Janeiro de 2008 a 30 de Junho de 2008, podendo ser renovado sucessivamente por períodos de 6 meses, desde que o primeiro outorgante comunique tal intenção ao segundo e este a aceite.
CLAUSULA 3ª (Remuneração)
Pela prestação de serviços referidos na clausula primeira, o primeiro outorgante pagará ao segundo...
A remuneração será revista anualmente com base na taxa determinada na revisão anual das remunerações da Função Pública, que incidirá no valor daquela sem IVA.
O segundo outorgante não recebe, pelo presente contrato, quaisquer outras remunerações complementares, designadamente subsídio de refeição, de Natal ou de férias.
CLAUSULA 4ª (Pagamento)
O pagamento da remuneração mensal estabelecida na clausula anterior será efectuado de acordo com as disposições legais que regulamentam a realização e processamento de despesas nos Serviços da Administração Pública, contra a apresentação do recibo modelo 6, a que se refere a alínea a) do nº 1 do art. 115ª do CIRS.
CLAUSULA 5ª (Situação jurídica)
O presente contrato não confere ao segundo outorgante a qualidade de funcionário, nem de agente administrativo, não ficando este sujeito à subordinação hierárquica, horário de trabalho, nem regime legal da Função Pública.
CLAUSULA 6ª (Obrigações)
O segundo outorgante obriga-se a respeitar as regras de convivência exigíveis para a prestação de serviços em locais frequentados por trabalhadores e público.
O segundo outorgante obriga-se a manter sigilo absoluto de toda a informação e documentação a que tiver acesso na prestação de serviços que realizar para o primeiro outorgante.
O primeiro outorgante obriga-se a fornecer ao segundo outorgante os meios necessários para a boa execução dos serviços, ficando estes à sua guarda e responsabilidade e devendo devolvê-los, quando for o caso, no prazo máximo de dois dias úteis, sempre que solicitados.
CLAUSULA 7ª (Incumprimento)
Em caso de violação grave ou reiterada dos deveres que assistem ao segundo outorgante, tem o primeiro outorgante a faculdade de resolver imediatamente o presente contrato.
CLAUSULA 8ª (Resolução do contrato)
O presente contrato pode ser resolvido a todo o tempo e sem direito a qualquer indemnização, desde que um outorgante comunique tal intenção ao outro com a antecedência mínima de 60 dias.
CLAUSULA 9ª (Regulamentação do contrato)
O presente contrato é celebrado nos termos da alínea ___ do nº 1 do art. 81ª do Decreto-Lei nº 197/99 de 8 de Junho.
Por quaisquer matérias não expressamente reguladas no presente contrato de prestação de serviços/avença, relativas à sua apresentação e execução, será directamente aplicável o art. 7º do Decreto-Lei nº 409/91, de 17 de Outubro, ao abrigo do qual é celebrado, visando a satisfação de necessidades não permanentes do primeiro outorgante, sem sujeição hierárquica nem horário de trabalho e baseando-se em razões de experiência profissional por parte do segundo outorgante.
CLAUSULA 10ª (Actualização de dados)
O segundo outorgante compromete-se a manter actualizados todos os dados pessoais para efeitos do presente contrato, comunicando por escrito ao primeiro outorgante qualquer alteração aos mesmos.
CLAUSULA 11ª (Produção de efeitos)
O presente contrato será celebrado após aprovação prévia da minuta pelo adjudicatário, e produz todos os seus efeitos a partir da data da sua assinatura, em virtude de não estar sujeito a fiscalização prévia do Tribunal de Contas por não exceder o montante...
CLAUSULA 12ª (Foro)
Para as questões emergentes do presente contrato, as partes estabelecem o foro do Tribunal da Comarca de Lisboa, com expressa renuncia a qualquer outro.
...

Fica assim apresentado o próximo e dramático acto, a decorrer em pleno mês do Natal, que o executivo de António Costa reserva para mais de 1000 pessoas.
Apelamos a todos que façam chegar esta postagem ao maior número possível de pessoas, sobretudo a todos os trabalhadores precários da Câmara de Lisboa. Quem puder, divulgue o blog pelo e-mail da CML e lance o nosso endereço em todos os locais públicos possíveis. É urgente confrontar toda as forças políticas com representação nas assembleia e câmara municipais com esta jogada suja e indecente perpetrada por esta gente sem escrúpulos que governa a maior autarquia do País. Porque, como temíamos, os 127 foram apenas o início...
Mas agora, a nossa posição tem de ser firme: em bloco, denunciar o logro e RECUSAR ASSINAR!

43 comentários:

::funcionário a recidos verdes::: disse...

Custa-me a crer que qualquer tipo de reacção da nossa parte os leve a tomar alguma atitude...
Se nos recusarmos a assinar, vão concerteza pensar: "...menos uns para pagar..", e se o trabalho acumular e ficar por fazer também não se vão importar!
O que não falta na CML são processo acumulados, por diversas razões. Mais umas centenas não lhe fazem diferença, até pk daqui a uns mesitos (ou anitos) já não estão cá os mesmos "Senhores" (entendam a palavra "Senhores" com quiserem ;)!

Anónimo disse...

Merece especial destaque
- a cláusula 2, em que se lê que os contratos passam a ser renovados apenas se a CML manifestar tal intenção (ou seja, em Julho torna-se particularmente evidente irmos todos para a RUA)

- a cláusula 3, em que se lê que, no que respeita à remuneração, ficaremos igualados à Função Pública, mas sem subsídios de alimentação, férias e natal! Na prática, significa que receberemos 12 meses em vez dos actuais 14 (já que actualmente os dois subsídios são-nos entregues em versão diluída ao longo dos 12 meses) e qq coisa como menos 70€ de subsídio de refeição/mês.
Contas por alto, significa que um ordenado bruto de 1580 passa para 1278 - são 300€ a menos.
Retirando todos os descontos (IVA, IRS e SS) ficaremos com qq coisa como... 873€!

Só vejo duas soluções:
ou não assinamos e vamos à nossa vida!! ou assinamos e passamos a trabalhar em part-time, para podermos ganhar noutro sítio o que nos faltará para (sobre)viver (já que não temos horários a cumprir...)

Anónimo disse...

Esta minuta de contrato é bem a prova de que a CML precisa de facto, de bons técnicos a todos os níveis : miseravelmente redigido, sem qualquer nexo ou conexão com o Código de Trabalho, contraditório,errático, etc. Deve ter sido um produto de assessores (boys juristas)desesperados, desejosos de satisfazer as vontades de políticos ignorantes. É óbvio que só um mentecapto irá assinar um documento que o coloca a nível sub-humano.Mas enfim, há invertebrados para tudo. Ainda ninguém o referiu mas eu acho que vocês tem matéria para a Presidência da República e para o Tribunal Europeu; é que tudo isto é pura e simplesmente...nem tenho palavras para catalogar o estado a que chegou este caixote do lixo chamado Portugal.

Ze Cantoneiro disse...

Ora cá está uma medida politico-inteligente:

O Sr. Presidente Costa e o Sr. Vereador Cardoso já não precisam de denunciar contratos. POderão já dizer que não denunciam nem mais um único. É verdade.

Só que depois não renovam... e eles caducam.

Ah pois ... pensavam que estavam a lidar com pessoas honestas? Vota no PS outra vez!

Gajo d'«o contra» disse...

Curioso é que no meu serviço, tendo sido eu um dos primeiros a ter acesso a esse documento, e como o mesmo me pareceu ser altamente sonegador das poucas medidas de protecção ao prestador de serviços, tenha pedido opinião jurídica e a mesma tenha sido no sentido de que o contrato é perfeitamente legal e aceitável.

Não sou jurista, mas uma adenda forçada que substitui o(s) texto(s) anterior(es) na íntegra, não me parece ser o procedimento mais claro e transparente...

Como nota de rodapé, deixem-me dizer que a pessoa que emitiu opinião jurídica também será visada pela mesma alteração contratual, embora me pareça, desconheça a grande redução de honorários que vai sentir.

Isto tudo para dizer que há malta d'«o contra» fora do grupo dos recibos verdes, mas há muita maltinha do regime a minar isto por dentro.

Eu tento galvanizar a malta que me rodeia, mas espanta-me o facto de ainda não se terem agrupado e levado esta espécie de genocídio ao próximo patamar.

um gajo do DGRH disse...

que a questão dos subsídios não se coloca, não entrem em pânico. Ignorem a redação do contrato, pois não é mais do que aquilo que legalmente se impõe. Aliás, actualmente os prestadores de serviços também não recebem subsídios, lolol (bico calado). Ficará tudo como está nessa parte, e é de fonte segura esta info. Poderão no entanto ocorrer acertos (para baixo) nos valores das avenças, de forma moralizar a coisa, mas tal dever-se-á a equiparações com as tabelas de vencimentos em vigor para a função pública (o que já há muito deveria ter sido feito, diga-se).

Anónimo disse...

Isto é mais uma manobra indecente para levar avante mais despedimentos.
Esperemos que o sindicato do municipio de lisboa tome uma posição de força para travar esta manobra.
Para além deste modelo de contrato há ainda um despacho (591/P/2007) saído a 6 de Dezembro que dá aos recursos humanos, ao seu director e ao vereador quase plenos poderes em matéria de renovação dos contratos.

Temos que estar alerta, colegas. O pior ainda está mesmo para vir. Não serão 127 na próxima vez, serão muitos mais.

Anónimo disse...

Já agora, o que diz o Sá Fernandes e o Bloco de Esquerda desta palhaçada?
Vão defender esta precarização ainda maior que nos propõem?
Ou vão portar-se como força de bloqueio à selvajaria que esta gente pretende efectuar?

Anónimo disse...

Desculpem mas isto é confuso... então o vereador não disse que estavam em conversações com o sindicato para criar um quadro paralelo?

Que raio tem isto a ver com o quadro paralelo?!

Anónimo disse...

Estás a brincar?esse reles merceeiro ignorante chamado Cardoso da Silva ainda é pior que a Manuela Ferreira Leite!Se isto é um gestor,meus caros, este país está bem entregue. Este tipo de gente é caricata: são daqueles que, por acharem que todos os mecânicos são dispensáveis, não se importam de comprar carros novos sempre que o velho avaria. E como estes imbecis estão a gerir dinheiro público, de quem é o dinheiro para os carros novos, de quem é?...ah pois! Continuem a votar neste bando de gatunos que não se importam de destruir a vida de grávidas, de famílias com crianças, etc. Ah! Mas já me ía esquecendo: os abonos do Sócrates resolvem tudo!

Anónimo disse...

Ouvi dizer que alguma da malta dos 127 recebeu uma carta a dizer que era engano... Alguém sabe de alguma coisa?

tarzan disse...

Não ouvi nada sobre isso. Mas seriam de esperar resultados das cunhas de última hora, de movimentações junto dos conhecidos. É certo que a macacada pequena caiu da árvore com a primeira tempestade; se voltarem lá para cima é porque algum macacão lhe deitou uma corda. Naturalmente, de seguida sacudir-se-á a árvore outra vez para que no fim continuem 125 ou 127 no solo a olhar para as estrelas e a chupar no dedo. 127... ou mais. É que ainda estamos para ver se o adubo dos 400.000.000,00 dá para sustentar a árvore com galhos suficientes para os restantes.

Anónimo disse...

Colegas,

Já há gente a receber o contrato para assinar. Evitem fazê-lo para já. Precisamos ganhar tempo.

Isto está a tornar-se uma bola de neve e as pessoas estão a fazer barulho. Vamios lutar!

Anónimo disse...

como é ÓBVIO, esta a cláusula 5.ª é para lixar...

CLAUSULA 5ª (Situação jurídica)
O presente contrato não confere ao segundo outorgante a qualidade de funcionário, nem de agente administrativo, não ficando este sujeito à subordinação hierárquica, horário de trabalho, nem regime legal da Função Pública.

um a um vão lixá-los a TODOS

não se mexam, não...

Bart Simpson disse...

Bem, parece que afinal os comentários deixados aqui no blog servem para alguma coisa: a uniformização da redacção das avenças vai ser finalmente feita (lá se vão os privilégios de alguns) e aproveitar-se-á o momento para acabar com os tachos acima de 2500 euros. Pelo que consta nos corredores, os vencimentos, com as novas adendas, não podem ultrapassar este valor em bruto (incluindo já o IVA). Aleluia!!!!

Nada a referir quanto aos subsídios, como já foi dito acima pelo “um gajo do dgrh”. Nada a referir também quanto à lenga-lenga da subordinação hierárquica, horário e mais-não-sei quê, pois tal já nem era novidade uma vez que resultava da lei (DL 409/91) e cá dentro toda a gente sabe que a verdade é outra, incluindo o próprio executivo.

Para já não vão haver actualizações, mas tal também não acontece com a malta do quadro enquanto não sair publicado valor definitivo do governo.

Agora é esperar que se cumpra a palavra da Vereação dos Recursos Humanos, não se despedindo mais contratados e integrando-se o pessoal precário no quadro privado (se no público não se conseguir por via de instrumento legislativo próprio).

Estamos para ver é se não vão ocorrer troca de nomes dentro da lista dos 127 por acção de cunhas (alguns pediram reavaliação para que novas pressões se exercessem), readmitindo-se umas dezenas para correr com outros tantos que entretanto já davam a tempestade por passada. Haja moralidade, coerência e estabilidade.

Homer Simpson disse...

BART!!!

Anónimo disse...

NÃO ASSINEM CARALHO!

Alerta total disse...

COLEGAS

VÃO À PAGINA DO STML E LEIAM O COMUNICADO 49.

É VITAL: O SINDICATO RECOMENDA A TODOS QUE NÃO ASSINEM PARA JÁ O NOVO CONTRATO UMA VEZ QUE VAI HAVER REUNIÃO COM O PRESIDENTE DA CML.

www.stml.pt

CUIDADO COM A CONTRA INFORMAÇÃO DO CARDOSO DA SILVA AO CORREIO DA MANHÃ DE HOJE.

Anónimo disse...

eu também sou trabalhadora da c.m.l. a recibos verdes vai para 10 anos e na minha modesta opinião acho isto uma vergonha e uma grande falta de consideração por nós trabalhadores, tratam-nos como objectos q qdo fazemos falta mantêm-nos e qdo deixamos de fazer mandam-nos embora.
estão-nos a apertar o cerco e a querer sair de uma maneira muito "soft"...pois seria muito mau para o partido pegarem nestas pessoas todas e mandá-las todas embora de uma vez.
eu muito sinceramente não sei o q vou fazer , pois se não assinamos é mais certo ao acabar os 6 meses nos mandem embora, e se assinarmos tb nada nos garante q não o fazerão na mesma.

Liza Simpson disse...

Acho que a papelada das adendas/contratos deveria estar toda feita e assinada já hoje, pelo que, ou o sindicato se despacha, ou fica tudo entalado. Naturalmente que a malta vai assinar porque existe medo de se ficar isolado e de se ser despedido numa próxima ronda. O que quer que seja que o sindicato tem planeado, AGORA É O MOMENTO para o fazer! Amanhã ou depois toda esta matéria será passado, para nosso mal.

Anónimo disse...

MAS QUE GRANDE PORRA!!!
QUEM É QUE VOTOU NELES???!!!
ALGUÉM VOTOU...
EU NÃO SOU NINGUÉM IMPORTANTE MAS ESTOU CONVOSCO DENUNCIO A QUESTÃO NO MEU BLOG, RECEBI HOJE POR MAIL UMA LISTA INTERESSANTE...NO ENTANTO DESDE JA VOS DIGO ENQUANTO NÃO SE PEGAR EM ARMAS DE QUALQUER GENERO OU FEITIO, NADA FEITO!!!
PODEM CRER NO QUE DIGO TENHO MUITA PENA MAS O QUE ANDAM A FAZER NA FRANÇA PODE NÃO TER SURTIDO MUITO EFEITO ...MAS ALGUM ESTRAGO VAI FAZENDO E ELES FICAM COM MAIS RECEIO.
ISTO NÃO SE RESOLVE A REMOER, SENTADO NO SOFA A INSULTAR OS GAJOS PARA A TELEVISÃO,
ELES TÊM QUE SENTIR NA PELE COMO NÓS E OS NOSSOS FILHOS E NETOS SENTEM NO DIA A DIA.
NÃO SOU A FAVOR DA VIOLÊNCIA MAS HA MOMENTOS NA HISTORIA DOS POVOS EM QUE AS COISAS CARECEM DE RESOLUÇÃO RAPIDA.

JÁ CHEGA ESTA NA HORA ANTES QUE NÃO HAJA MAIS SOLUÇÃO...QUE TEMOS A PERDER QUE JA NÃO TENHAMOS PERDIDO?!
AS FABRICAS A FALIR, OS TRABALHADORES A SEREM POSTOS NA RUA, AS ESCOLAS A DAREM O PEIDO MESTRE OS HOSPITAIS A FECHAREM, OS ASSASSINOS Á SOLTA, OS PEDÓFILOS A SUBIREM NA VIDA...QUE NOS RESTA?!
NADA!!!
ENTÃO VAMOS RESOLVER ANTES QUE NOS RESOLVAM...
NO FIM DE SEMANA FORAM GASTOS 14 MILHÕES PARA DAR GUARIDA E DE COMER A 6 CAMELOS E UMA MANADA DE FACINORAS,DITADORES,LADRÕES E MAFIOSOS.
PORTUGAL DEU A SEMANA PASSADA 14 MILHOES DE EUROS PARA MOÇAMBIQUE REESTRUTURAR AS SUAS POLÍCIAS (DEU,DO VERBO DAR...)FINANCIOU UM ESTADIO DE FUTEBOL NA CISJORDÂNIA QUE VAI SER INAUGURADO NA SEGUNDA-FEIRA ...MAS O QUE É ISTO???

BEIJOS A TODOS, MUITA CORAGEM E NUNCA SE CALEM PELO NOSSO VOSSO PAÍS, PELA VOSSA FAMÍLIA E FILHOS

Anónimo disse...

PENSEI QUE IA APARECER O MEU NIKE PARA A LIGAÇÃO...COMO NAO CONSIGO FAZER COM QUE A MENSAGEM ENTRE DE OUTRA FORMA DEIXO AQUI O CAMINHO

Laurentina-do blog marginalzambi

para que se despachem disse...

já há dirigentes do sindicato a ligar para o Presidente ou querem que eu ligue?? Aqui no Campo Grande já há serviços com contratos assinados e prontos a seguir para as respectivas vereações!!

gago disse...

'tamos 'odos ‘odidos!!

Anónimo disse...

ninguem assine o contrato ,e mantenham os olhos atentos aos mails nestes dias...novidades virão a caminho.mas importante até á próxima semana n assinem contratos

o coveiro disse...

Ena, venho agora mesmo de ler o Despacho 591/P/2007 do Senhor Vereador dos Recursos Humanos, publicado no Boletim Municipal da quinta-feira passada. Reza o nº 2 daquele despacho que:

“As Direcções Municipais caso pretendam proceder a uma nova contratação, deverão informar, por escrito e com a concordância do Vereador do Pelouro sobre os dados do prestador, nomeadamente: o nome, a função a desempenhar e o valor do vencimento;”

Peço a alguém que tenha conhecimentos jurídicos ou pelo menos experiência vasta nesta área que me esclareça o seguinte:

É pelo total do valor dos contratos, sejam anuais ou semestrais, que se determina o tipo de procedimento de contratação a utilizar, não? No caso desse valor ser superior a 1000 contos – e na maior parte dos casos sê-lo-á – é obrigatório o lançamento de procedimentos concursais com consulta prévia a pelo menos duas entidades, sim?

Então, quando o valor do contrato ultrapassar 1000 contos, de duas… uma:

1ª - Ou o nome do prestador a contratar e o respectivo vencimento são indicados logo no início do procedimento, e necessariamente a fase de consulta/concurso será uma farsa por o vencedor já estar determinado à partida;

2ª - Ou o nome do prestador a contratar e o respectivo vencimento são indicados apenas depois de realizada a consulta/concurso e de estar apurado o vencedor, e neste caso não se compreende como podem o Vereador dos Recursos Humanos ou o respectivo Director Municipal ser colocados na posição de terem de concordar com os nomes e valores apresentados ou, em alternativa, determinar a anulação de procedimentos contratuais já meio feitos.

Na hipótese (que quero pensar remota) de o raciocínio atrás referido estar correcto, pergunto: estes despachos são escritos à noite ou a malta que está a assessorar os peixes grandes anda a dormir durante o dia?

Anónimo disse...

Já sabem ? Hoje foram demitidos mais uns quantos... ninguém diz nada ... e foram muitos

oh-oh disse...

novas denúncias?? resultantes das reavaliações? foram apenas decididas ou já se encontram notificadas? essa mania de dizer as coisas no ar ou pela metade não aproveita a ninguém. ou se dizem coisas concretas e certas ou mais vale ir fritar uns rissóis para a cozinha, ou fazer uma salada de polvo.

Anónimo disse...

Sei que um dos que foram dispensados já cá estava há 10 anos... Qtos mais foram? Alguém sabe? Isto vai continuar assim? Todos os dias à espera que nos possa chegar uma "boa prenda de Natal" a casa? Nos jornais falam em integrar-nos, no próprio dia, coincidentemente algumas pessoas recebem a carta, não se percebe! Será que os jornais não vão pegar nisto tal como falaram dos 127? Se o Sindicato tiver algum poder, por favor façam qq coisa!

Anónimo disse...

Uma opinião sobre as novas minutas em: http://gentedelisboa.blogspot.com/

Anónimo disse...

Reparem bem na posição do Bloco de Esquerda nesta trapalhada toda:

Ontem vem o Sá Fernandes dizer que já há um parecer favorável de um especialista para pôr a malta toda no quadro. Hoje vem um troglodita de um ex-assessor desse vereador dizer que não há problema em assinar esta «patetice»... (www.gentedelisboa.blogspot.com)

Cada vez acredito mais que estamos sozinhos nesta luta e que nos vai restar pouco para onde nos virarmos.

A esperança neste momento está naquilo que o STML conseguir directamente com o Presidente.

Anónimo disse...

Como é? O pessoal está a assinar os contratos ou não? Digam qualquer coisa!

Anónimo disse...

Assinem assinem que já há mais uma lista de 70 rescisões.
NÃO ASSINEM!
NÃO HÁ QUE TER MEDO NESTA ALTURA!
CUIDADO COM A AREIA PARA OS OLHOS QUE NOS ESTÃO A BOMBARDEAR TODOS OS DIAS!
EM ALERTA MAIS QUE NUNCA!

Anónimo disse...

Gostava de saber como é que têm essas informações. Isso é muito grave e alarmante para quem ainda não recebeu a carta. Andamos todos a viver num clima de terror, por isso há que ter cuidado com o que se diz e não dizer o que não se tem a certeza, se não é só mais uma razão para as pessoas sofrerem antes do tempo. Julgo eu...

Companhia das Sandes disse...

Fui ao blogue do BE Bernardino Aranda mas enganei-me no botão e descobri que o rapaz ganha 2940 euros por mês!!!! Bolas... assim também eu desprezava os RVs pobrezinhos.

Eu tambem quero um tachinho desses pra escrever coisas daquelas...

eu disse...

o sindicato anda a dormir? meteu férias para ir fazer compras de Natal, apesar de terem uma veia comunista? tb o Jerónimo tem uma santinha no seu santo gabinete, é verdade! precisam de pessoas formadas em direito?! arranjem uns verdes, há muitos. daqui a quantos meses/anos colocam informação - não vou dizer útil como é habitual ouvir-se - que nos esclareça nas nossas tomadas de decisão?! estão à espera de quê?! acordaram agora para a questão dos recibos verdes? há décadas que isto se arrasta e o sindicato o que tem feito? o pessoal vai assinando, claro, até porque se não receberam cartas de rescisão sempre são mais uns mesinhos... aqui, neste blog e noutros, o que se faz? nada, para além de gravíssimos erros de ortografia. outros, alvo da falta de respeito destes e de outros políticos, fazem circular emails anónimos e... irão à missa?

S. (DMGU) disse...

No meu serviço as pessoas estão desesperadas. Várias colegas pediram apoio jurídico sobre o contrato e parece ser unanime que se assinarmos arriscamos muito.
Destacaram ser a CML a decidir se renova ou não sem prazo estipulado para o fazer, o que implica que posso estar a trabalhar até ao dia 30 de Junho na esperança de chegar a casa e ter lá a carta de renovação. E todos sabemos como alguns directores são a enganar as pessoas.
Outra coisa que eles destacaram foi a expressa referencia à inexistencia de subsidios o que em caso de ida a tribunal implica a possibilidade de perdermos sequer o direito a indminização.

Fiquei um pouco mais descansada após saber que parece que os contratos afinal não vão para a frente devido a pressões do vereador Sá Fernandes. Mas será que isso é mesmo verdade?Neste momento já não acreditamos em ninguem depois de tudo o que nos tém feito passar.

Muita coragem e obrigado por terem criado este blogue.

Anónimo disse...

Caro/a Companhia das Sandes:

Então "tambem quero um tachinho desses pra escrever coisas daquelas..."?

Então Porque é que não aproveitas e vês também a minha extensão telefónica?

Telefonavas-me, iamos beber um cafézinho e tu explicavas-me porque raio de carga de água me acusas de "despresar os RVs pobrezinhos"...

Eu explicava-te porque é que em minha opinião coisas como a clausula 5 é inócua do ponto de vista legal e porquê que a clausula 3 não tem efeitos na remuneração real.

A claussula 2, altera realmente o modo de renovação do contrato, mas eu explicava-te com mais detalhe porque é que acho que isso, apesar de tudo, está longe de significar "irmos todos para a RUA", como aparece por aqui escrito algures.

...finalmente mostrava-te o meu contrato, para me poderes atacar com algum fundo de verdade.

É que se queres "escrever umas coisas" como eu, é importante que o que escrevas tenha algum conteúdo e não seja só agressão gratuita contra outras pessoas.

Assim, ouves os meus argumentos e poderás rebater com os teus e até procurares convenceres-me do contrárito.

Fico à espera que o telefone toque. Não tens de ter medo.

B Aranda disse...

O comentário anterior era meu, claro.

“Me liga, vai…”

Ana Peres disse...

Estas guerrinhas da treta aui servem para quê? Esse companhia das sandes e o bernardino aranda deviam ter vergonha. Vâo fazer campanha para outro lado e gozar com o problema dos outros para longe.
O nosso problema é sério e vêm estes parvalhões do PC e do Bloco armar-se em parvos!
Sugiro ao lIsboa em Alerta que comece a mediar os comentários porque estas bocas só servem para retirar valor ao blogue e nós precisamos todos que ele exista e dê voz a quem não tem.

B Aranda disse...

Ana

Acho injuste que me chame parvalhão e que diga que estou a gozar com o problema dos outros.

Acho injusto, sobretudo, que me ponha no mesmo saco que o "companhia das sandes"

Acompanho aqui, desde praticamente o início toda esta questão dos avençados. Por acaso, que me lembre, acho que nunca tinha escrito aqui um comentário e concordo com o que diz sobre não utilizar este espaço para guerinhas.

No meu blog (gentedelisboa.blogspot.com), chamei a atenção para este blog, elogiando a sua acção.

Mas chego aqui certo dia, depois de no meu blog escrever uma opinião diversa deste, sobre as novas minutas, (não é "gozar" é ter uma opinião diferente sobre a magnitude da "nova ofensiva") e vejo que sou o bombo da festa...

E o que respondo? TrÊs coisas: Desafio o autor mais guerreiro a contra-argumentar para termos uma discussão saudável e não com base em agressões. Digo que o salário que ele divulga como sendo o meu, não corresponde à realidade. E desafio-o a desmascarar o seu anonimato, para haver nisto tudo um mínimo de decência.

1 único comentário neste post.

Não acho que me tenha excedido de forma nenhuma, nem tenha que ter vergonha de ter escrito aquele comentário. Acho que estou no meu direito.

De qualquer forma, não tenciono escrever mais aqui. Quem me quiser ler, que vá ao "Gente de Lisboa"

.........

Em relação aos novos contratos, a reunião entre o BE e os RH foi na sexta-feira e foi negociado e ficou acordado que aquela minuta não seria utilizada.

O que continuo a dizer - e esse é o meu ponto desde o início, desculpem lá por discordar da vossa estratégia - é que esta questão não era central (e se calhar, a prova disso é a forma como ela caíu tão facilmente). A questão central é a das rescisões e sobretudo a integração no quadro. Esta última batalha é bastante complexa e está, apesar de tudo, muito longe de ser ganha.

Anónimo disse...

Solidário com a V. luta, ou pelo menos com a luta de alguns, porque isto tem muitas questões pelo meio, para além da simples questão de ser ou não dispensável e porque razões se é! Imaginem-me a mim funcionário do quadro, integrado numa equipa bem estruturada e a funcionar BEM e sem necessidade de mais pessoal (havia de tudo incluindo recibos verdes), quando por obra e graça de umas eleições chega uma nova direcção municipal, nova direcção de departamento e nova chefia de divisão que, em vez de procurar perceber como era a equipa e tirar partido do que existia, decidem que era preciso "limar umas arestas", pelo que se justificava a integração na equipa de mais uns elementos precisamente para efectuar esse trabalho. Resultado, nem ao fim de um mês destes novos avençados, terem entrado ao serviço vindos sabe-se lá de onde..., a tal equipa IDEAL estava completamente virada do avesso, deixou de funcionar. Desde intrigas criadas por esse "sangue novo", que ainda se aproveitavam de trabalhos por nós feitos assumindo-os como deles, colegas colocados na prateleira (Olhe, tá a ver aquela cadeira? Ali ao canto? Passa a sentar-se lá! Eu preciso da sua secretária e do seu posto de trabalho...), "bufaria" fomentada entre colegas que até se davam bem pessoalmente, alguns temendo a sua "segurança" entravam no jogo e faziam que colegas agora tornados em "potenciais ameaças" às suas incompetências e falta de "iluminação" fossem mudados de locais, ameaças de processos disciplinares, mudanças para serviços diferentes e vá lá "inferiores", "danças" de colegas entre locais de trabalho (agora vais para ali...agora para acolá...agora para acoli!). O mais grave é que as próprias chefias, a nível de divisão e departamento permitiam e inclusivamente fomentavam (e fomentam), este tipo de situações! Quem adivinhar onde foi, é e será, ganha um doce! È triste, mas foram avençados que criaram esta situação. Que fazer com eles? Passá-los ao quadro ? Pode ser que guardem as guarras! E nós os emprateleirados do quadro? Vamos para dispensados? O bem e o mal, o bom e o mau, existem em todo o lado! Aqui esquecem-se e muito que isto não é uma empresa pessoal, nós temos uma função pública a cumprir. Não servimos chefias nem avençados e vice-versa, servimos é os munícipes de Lisboa. A ver se alguém que ler isto põe a mão na consciência e mude! Se bem que as mentalidades e o statuo quo, então na CML... é o que mais custa a mudar! Se é que alguma vez isso vai acontecer, com tantos interesses instituídos e tão enraízados!

Anónimo disse...

Coitadinhos dos chacinados dos precários! Há avençados que não fazem a ponta de um corno e, como vieram nas novas comitivas que vão chegando à CML através das equipas dirigentes que vão chegando após eleições e mais eleições, acham que são mais do que os do quadro! Acho muito bem que os dispensem a TODOS, pois não fazem e não deixam fazer! Há muitos funcionários do quadro emprateleirados por causa desses avençados que não fazem falta nenhuma! Haja é alguém na Câmara que tenha essa coragem! É tudo uma questão de reorganização de serviços, vão ver que são mais do que dispensáveis! O que se está a passar na Central, devia era ser feito aqui na Câmara! Vou criar um blog de defesa/apoio aos emprateleirados, para que estes compartilhem as suas histórias, algumas delas bem bizarras! Esses sim devem ser apoiados, pois não os deixam trabalhar nas funçoes para que foram designados! Haja justiça!